O uso de estratégias de coping de pacientes adultos submetidos ao transplante de células tronco hematopoéticas

  • Danielle de Fatima Kichileski Santos
  • Maria José Gugelmin de Camargo
  • Dayane Regina dos Santos
  • Graciano Alcides Lolatto

Resumen

Este estudo teve como objetivo identificar as estratégias de coping e as situações estressantes de pacientes adultos submetidos ao transplante de células tronco hematopoéticas. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória de abordagem quantitativa, realizada no Serviço de Transplante de Medula Óssea de um hospital universitário da região sul do Brasil, no período de maio a novembro de 2016. A amostra foi composta por 18 participantes, com idades entre 20 e 55 anos, sendo 66,4% do sexo masculino e 33,6% do sexo feminino. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário sociodemográfico e do Inventário de Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus, este aplicado nos períodos pré e pós transplante. Verificou-se que o suporte social, a resolução de problemas e a reavaliação positiva foram os fatores de coping mais utilizados pelos participantes, sendo nomeada a hospitalização prolongada, os efeitos adversos do tratamento e a mucosite como situações estressoras. Conclui-se que o conhecimento das situações estressoras e das estratégias de coping utilizadas pelos pacientes são importantes para que o terapeuta ocupacional contribua para o planejamento e implementação de ações interdisciplinares que promovam melhora da qualidade de vida e bem-estar durante o processo de transplante.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Danielle de Fatima Kichileski Santos

Terapeuta ocupacional. Residente Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar em Oncologia e Hematologia, Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Maria José Gugelmin de Camargo

Terapeuta ocupacional. Magíster en Educación. Docente Departamento de Terapia Ocupacional, Universidade Federal do Paraná. Tutora Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar em Saúde da Mulher do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Dayane Regina dos Santos

Terapeuta Ocupacional. Magíster en Enfermería. Docente Departamento de Terapia Ocupacional, Universidade Federal do Paraná. Tutora Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar em Oncologia e Hematologia, Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Graciano Alcides Lolatto

Matemático. Especialista en Estadística Instrumental. Estudiante de Estatística en la Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Referencias

Andrade, A. M. , Castro, E. A. B., Soares, T. C. & Santos, K. B. (2012). Vivências de adultos submetidos ao transplante de medula óssea autólogo. Ciência, Cuidado e Saude, 11(2), 267-274. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/15180/
pdf

Antoniazzi, A. S., Dell’Aglio, D. D., & Bandeira, D. R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3(2), 273-294. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X1998000200006

Barros, D. O. & Lopes, R. L. M. (2007). Mulheres com câncer invasivo do colo uterino: suporte familiar como auxílio. Revista Brasileira de Enfermagem 60(3), 295-298. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000300009

Barrozo, B. M., Ricz, H. M. A. & De Carlo, M. M. R. P. (2014). Os papéis ocupacionais de pessoas com câncer de cabeça e pescoço. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 25(3), 255-263. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i3p255-263

Bigatão, M. R., Mastropietro, A. P. & De Carlo, M. M. R. P. (2009) Terapia Ocupacional em oncologia: a experiência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. In: M. B. Othero (Org.), Terapia Ocupacional: práticas em oncologia. São Paulo, SP: Editora Roca.

Botega, N.J. (2006). Prática psiquiátrica no hospital geral: interconsulta e emergência (2a. ed.). Porto Alegre, RS. Curitiba, PR: ArtMed.

Campos, E. M. P., Bach, C. & Alvares, M. (2003). Estados emocionais do paciente candidato a transplante de medula óssea. Psicologia: teoria e prática, 5(2), 23-36. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-6872003000200003&lng=pt&tlng=pt

Dias, V. N., Mastropietro, A. P., Cardoso, E. A. O. & De Carlo, M. M. R. P. (2012). Transplante de células-tronco hematopoéticas – um estudo controlado sobre papéis ocupacionais. Cadernos de Terapia Ocupacional da Universidade de São Carlos, 20(2), 165-171. doi: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2012.016

Ferreira, P., Gamba, M. A., Saconato, H. & Gutiérrez, M. G. R. (2011). Tratamento da mucosite em pacientes submetidos a transplante de medula óssea: uma revisão sistemática. Acta Paulista de Enfermagem, 24(4), 563-570. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002011000400018

Garnica, M., Machado, C., Cappellano, P., Carvalho, V. V. H., Nicolato, A., Cunha, C. A. & Nucci, M. (2010). Recomendações no manejo das complicações infecciosas no transplante de células-tronco hematopoéticas. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 32(Suppl.1), 140-162. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010005000026

Giuliano, R. C., Silva, L. M. S. & Orozimbo, N. M. (2009). Reflexões sobre o “brincar” no trabalho terapêutico com pacientes oncológicos adultos. Psicologia: ciência e profissão, 29(4), 868-879. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932009000400016

Guimarães, W. (2010). Terapia Ocupacional em Onco-hematologia – Relato de Experiência no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. In M. B. Othero (Org.), Terapia Ocupacional: práticas em oncologia (pp. 323-363). São Paulo, SP: Roca.

Henderson, A. C. (1990). An introduction to social psychiatry. Oxford: Medical Publications.

Hoffbrand, A. V. (2008). Fundamentos em hematologia (5a. ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Mastropietro, A. P., Santos, M. A. & Oliveira, E. A. (2006). Sobreviventes do transplante de medula óssea: construção do cotidiano. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 17(2), 64-71. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13986

Okane, H. E. S. & Machado, L. N. (2009). Histórico. In Machado L. N., Camandoni, V. O., Leal, K. P. H. & Moscatello, E. L. M. (Orgs.). Transplante de medula óssea: abordagem multidisciplinar (pp. 23-29). São Paulo, SP: Lemar.

Ortega, E. T. T., Lima, D. H., Veran, M. P., Kojo, T. K. & Neves, M. I. (2004). Compêndio de enfermagem em transplante de células-tronco hematopoéticas: rotinas e procedimentos em cuidados essenciais e em complicações. Curitiba, PR: Editora Maio.

Rodrigues, A. B. & Chaves, E. C. (2008). Fatores estressantes e estratégias de coping dos enfermeiros atuantes em oncologia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16(1). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692008000100004

Rodrigues, F. S. S. & Polidori, M. M. (2012). Enfrentamento e resiliência de pacientes em tratamento quimioterápico e seus familiares. Revista Brasileira de Cancerologia, 58(4), 619-627. Recuperado de http://www.inca.gov.br/rbc/n_58/v04/pdf/07-artigo-enfrentamento-resiliencia-pacientes-tratamento-quimioterapico-familiares.pdf

Saboya, R., Dulley, F. L., Ferreira, E. & Simões, B. (2010). Transplante de medula óssea com doador familiar parcialmente compatível. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 32(Suppl. 1), 13-15. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010005000026

Savóia, M. G., Santana, P. R. & Mejias, N. P. (1996). Adaptação do Inventário de Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus para o português. Psicologia USP, 7(1/2), 183-201. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-51771996000100009

Takatori, M. (2001) A terapia ocupacional no processo de reabilitação: construção do cotidiano. Mundo da Saúde, 25(4), 371-383.

Tedesco, S., Ceccato, T. L., Noroi, A. N., & Citero, V. A. (2002). A terapia ocupacional para o doente clínico: ampliação do cuidado com a saúde mental. In M. A. De Marco (Org), A Face Humana da Medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial, (pp.151-156). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Zago, M. A., Falcão, R. P., & Pasquini, R. (Orgs.). (2004). Hematologia: fundamentos e prática (2a. ed.). São Paulo, SP: Atheneu.

Zavadil, E. T. C., Mantovani, M. F., & Cruz, E. D. A. (2012). Representação do enfermeiro sobre infecções em pacientes submetidos a transplante de células-tronco hematopoiéticas. Escola Anna Nery 16(3), 583-587. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000300022
Publicado
2017-12-28
Cómo citar
Santos, D. de F., Camargo, M. J., Santos, D., & Lolatto, G. (2017, diciembre 28). O uso de estratégias de coping de pacientes adultos submetidos ao transplante de células tronco hematopoéticas. Revista Ocupación Humana, 17(2), 20-33. Recuperado a partir de https://www.latinjournal.org/index.php/roh/article/view/169
Sección
Investigación