Treino cognitivo para idosos: uma estratégia interventiva utilizada pela Terapia Ocupacional

  • Taiuani Marquine Raymundo
  • Bruna Boligon
  • Elisa Baraldi Canales
  • Mayara Xavier Correia Nascimento
  • Lilian Dias Bernardo
Palabras clave: Idoso, cognição, memória, envelhecimento cognitivo, terapia ocupacional

Resumen

O déficit cognitivo é uma das principais preocupações dos idosos, o desenvolvimento de intervenções preventivas que ajudem a manter sua independência é relevante. O efeito da realização de treinamento cognitivo em idosos sem déficits cognitivos foi analisado por meio de um estudo descritivo com abordagem quantitativa e qualitativa. Participaram 12 pessoas com uma idade média de 67 anos. Para coletar os dados, foram utilizados: um questionário socioeconômico, a escala de atividades instrumentais de Lawton e Brody, um questionário pré e pós-intervenção e diários de campo. A intervenção foi de doze sessões de 90 minutos cada. Para a análise, foi utilizada a estatística descritiva e a técnica de análise de conteúdo. Como resultados, antes da intervenção, os participantes mostraram maior facilidade para executar atividades que envolviam memória, atenção e linguagem e dificuldade em realizar atividades de dupla tarefa direcionada à tomada de decisões, resolução de problemas e orientação espacial. Após a intervenção, o esquecimento para realizar os compromissos foi reduzido e 90,9% dos participantes notaram melhorias na memória e atenção. O treinamento contribuiu para a estimulação de diferentes domínios cognitivos e facilitou a aprendizagem de novas estratégias para lembrar e armazenar informações, influenciando o desempenho das atividades rotineiras.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Taiuani Marquine Raymundo

Terapeuta ocupacional. Magíster en Ciencias, área Bioingeniería. Doctora en Ciencias, área Bioingeniería. Docente Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Bruna Boligon

Estudiante de Terapia Ocupacional. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Elisa Baraldi Canales

Estudiante de Terapia Ocupacional.Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Mayara Xavier Correia Nascimento

Estudiante de Terapia Ocupacional. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil.

Lilian Dias Bernardo

Terapeuta ocupacional. Magíster en Salud Pública - área: Salud y Trabajo. Doctora en Salud Colectiva, área Políticas, Planeación y Administración en Salud. Docente Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia doRiodeJaneiro,enejercicioenlaUniversidadeFederaldoParaná.Curitiba,Brasil. 

Referencias

Almeida, M.H.M., Beger, M.L.M., & Watanabe, H.A.W. (2007). Oficina de memória para idosos: a idosos: estratégias para promoção da saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 11(22), 271-280.

Almeida, O.P., & Almeida, S. A. (1999). Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão Geriátrica (GDS) versão reduzida. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 57(2), 421- 426.

Assis, M.G., Assis, L.O., & Cardoso, A.P. (2013). Reabilitação das atividades diárias. In L.F. Malloy-Diniz, D. Fuentes, & R.M. Cosenza (Orgs.), Neuropsicologia do envelhecimento: uma abordagem multidimensional (pp. 360-377). Porto Alegre: Artmed.

Bahar-Fuchs, A., Clare, L., & Woods, B. (2013). Cognitive training and cognitive rehabilitation for mild to moderate Alzheimer’s disease and vascular dementia (review). Cochrane Database of Systematic Reviews, 6. DOI: 10.1002/14651858.CD003260.pub2.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Beckert, M., Irigaray, T.Q., & Trentini, C.M. (2012). Qualidade de vida, cognição e desempenho nas funções executivas de idosos. Estudos de Psicologia, 29(2), 155-162.

Belleville, S. (2008). Cognitive training for persons with mild cognitive impairment. International Psychogeriatrics, 20(1), 57-66.

Bertolucci, P.H., Brucki, S.M., Campacci, S.R., & Juliano, Y. (1994). The Mini-Mental State Examination in a general population: impact of educational status. Arquivos de Neuropsiquiatria, 52(1), 1-7.

Ciro, C. (2013). Second nature: Improving occupational performance in people with dementia through role-based, task-specific training. OT Practice, 18(3), 9-12.

Clare, L., & Woods, B. (2008). Cognitive rehabilitation and cognitive training for early-stage Alzheimer’s disease and vascular dementia. Cochrane Database of Systematic Reviews, 4, 1-39.

Coluccia, E. (2008). Learning from maps: the role of visuo-spatial working memory. Applied Cognitive Psychology, 22, 217–233.

Cosenza, R.M., & Malloy-Diniz, L.F. (2013). Declínio cognitivo, plasticidade cerebral e o papel da estimulação cognitiva na maturidade. In L.F. Malloy-Diniz, D. Fuentes & R.M. Consenza, Neuropsicologia do envelhecimento: uma abordagem multidimensional, (pp. 337-347). Porto Alegre: Artmed.

Devlin, A. S. (2001). Mind and maze: spatial cognition and environmental behavior. Westport: Praeger.

Diniz, B.S.O. (2013). Envelhecimento cognitivo. In F.S. Santos, T.B.L. Silva, E.B. Almeida, & E.M. Oliveira, Estimulação cognitiva para idosos: ênfase em memória, (pp. 15-20). Rio de Janeiro: Atheneu.

Fratiglioni, L., Paillard-Borg, S., & Winblad, B. (2004). An active and socially integrated lifestyle in late life might protect against dementia. The Lancet Neurology, 3(6), 343–353.

Ginarte, Y. (2002). Rehabilitación cognitiva. Aspectos teóricos y metodológicos. Revista de Neurología, 35(9), 870-876.

Golino, M. T.S, & Flores-Mendoza, C.E. (2016). Desenvolvimento de um programa de treino cognitivo para idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(5), 769-785.

Guerreiro, T.C., Veras, R., Motta, L.B.,Schmidt, S., & Veronesi, A.S. (2006). Queixa de memória e disfunção objetiva de memória em idosos que ingressam na Oficina da Memória na UnATI/UERJ. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 9(1), 7-20.

Kallio, E.L., Ohman, H., Kautiainena, H., Hietanen,M., & Pitkal, K. (2017). Cognitive Training Interventions for Patients with Alzheimer’s Disease: A Systematic Review. Journal of Alzheimer’s Disease, 56(4), 1349–1372.

Kelly, M.E., Loughrey, D., Lawlor, B.A., Robertson, I.H., Walsh, C., & Brennan, S. (2014). The impact of cognitive training and mental stimulation on cognitive and everyday functioning of healthy older adults: A systematic review and meta-analysis. Ageing Research Reviews, 15, 28–43.

Labate, E., Pazzaglia, F., & Hegarty, M. (2014). What working memory subcomponents are needed in the acquisition of survey knowledge? Evidence from direction estimation and shortcut tasks. Journal of Environmental Psychology, 37, 73–79.

Lauenroth, A., Loannidis, A.E., & Teichmann, B. (2016). Influence of combined physical and cognitive training on cognition: a systematic review. BMC Geriatrics, 16,141-155.

León, C.B.R., Rodrigues, C.C., Seabra, A.G., & Dias, N.M. (2013). Funções executivas e desempenho escolar em crianças de 6 a 9 anos de idade. Revista Psicopedagogia, 30(92), 113-120.

Levy, L.L. (2014). Envelhecimento cognitivo. In N. Katz. Neurociências, reabilitação cognitiva e modelos de intervenção em Terapia Ocupacional (pp. 109-131). São Paulo: Editora Santos.

Mattos, P., & Paixão Júnior, C.M. (2010). Avaliação cognitiva de idosos: envelhecimento e comprometimento cognitivo. In L.F. Malloy-Diniz, D. Fuentes, P. Mattos, N. Abreu. (Orgs.), Avaliação neuropsicológica (pp. 247-253). Porto Alegre: Artmed.

Mitolo, M., Gardini, S., Caffarra, P., Ronconi, L, Venneri, A., & Pazzaglia, F. (2015). Relationship between spatial ability, visuospatial working memory and self-assessed spatial orientation ability: a study in older adults. Cognitive Processing, 16(2), 165-176.

Mowszowski, L., Batchelor, J., & Naismith, S. L. (2010). Early intervention for cognitive decline: can cognitive training be used as a selective prevention technique? International Psychogeriatrics, 22(4), 537-548.

Mowszowski, L., Lampit, A., Walton, C.C., & Naismith, S.L. (2016). Strategy-based cognitive training for improving executive functions in older adults: a systematic review. Neuropsychol Review, 26(3), 252-270.

Nori, R., Grandicelli, S., & Giusberti, F. (2009). Individual differences in visuo-spatial working memory and real-world wayfinding. Swiss Journal of Psychology, 68, 7–16.

Papp, K.V., Walsh, S.J., & Snyder, P.J. (2009). Immediate and delayed effects of cognitive interventions in healthy elderly: a review of current literature and future directions. Alzheimer’s & Dementia, 5(1), 50–60.

Pazzaglia, F., Gyselinck, V., Cornoldi, C., & De Beni, R. (2012). Individual differences in spatial text processing. In V. Gyselinck, & F. Pazzaglia (Orgs.), From mental imagery to spatial cognition and language (pp 127–161). London: Psychology Press.

Pimouguet, C., Le Goff, M., Wittwer, J., Dartigues, J.F., & Helmer, C. (2017). Benefits of occupational therapy in dementia patients: findings from a real-world observational study. Journal of Alzheimer’s Disease, 56(2), 509-517.

Reijnders, J., Heugtena, C.V., & Boxtel, M.V. (2013). Cognitive interventions in healthy older adults and people with mild cognitive impairment: A systematic review. Ageing Research Reviews, 12(1), 263–275.

Santos, R.L., & Virtuoso Júnior, J.S. (2008). Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Atividades Instrumentais da Vida Diária. Revista Brasileira em Promoção em Saúde, 21(4), 290-296.

Seyun, K. (2015). Cognitive rehabilitation for elderly people with early-stage Alzheimer’s disease. Journal of Physical Therapy Science, 27(2), 543-546.

Silva, T.B.L., Silva, H.S., Brum, P.S., & Yassuda, M.S. (2013). Estudos de treino cognitivo realizados no Brasil. In F. S. Santos, T.B.L. Silva, E.B. Almeida, & E.M. Oliveira, Estimulação cognitiva para idosos: ênfase em memória (pp. 103-112). Rio de Janeiro: Atheneu.

Souza, J. N., & Chaves, E. C. (2005). O efeito do exercício de estimulação da memória em idosos saudáveis. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 39(1), 13-19.

Tamai, S.A.B. (2003). Atividade de Terapia Ocupacional. In W. Jacob Filho, Prática a caminho da senecultura (pp. 102-113). São Paulo: Atheneu.

Tamai, S.A.B., & Abreu, V.P.S. (2011). Reabilitação cognitiva em gerontologia. In E.V. Freitas, L. Py, F.A.X. Cançado, J. Doll, M. Gorzoni (Orgs.), Tratado de Geriatria e Gerontologia (pp. 914-920). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Yassuda, M.S. (2002). Memória e envelhecimento saudável. In E. V. Freitas, L. Py, A. L. Neri, F. A. X. Cançado, M. Gorzoni, S. M. Rocha (Orgs.), Tratado de Geriatria e Gerontologia (pp. 1363-1371). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Zunzunegui, M. V., Alvarado, B. E., Del Ser, T., & Otero, A. (2003). Social networks, social integration, and social engagement determine cognitive decline in community-dwelling Spanish older adults. The Journals of Gerontology Series B, 58(2), 93–100.
Publicado
2017-12-28
Cómo citar
Raymundo, T., Boligon, B., Canales, E., Nascimento, M., & Bernardo, L. (2017, diciembre 28). Treino cognitivo para idosos: uma estratégia interventiva utilizada pela Terapia Ocupacional. Revista Ocupación Humana, 17(2), 5-19. Recuperado a partir de https://www.latinjournal.org/index.php/roh/article/view/168
Sección
Investigación